SAIU NO JORNAL - "SÍTIO DOS PINTOS SEM ÁGUA HÁ 5 MESES"


Há três anos, o bairro do Sítio dos Pintos, na Zona Norte do Recife, enfrentava situações complicadas. A caixa d’água que abastece toda a comunidade apresentava rachaduras e estava descoberta, desta forma contaminava a água. Para resolver esse problema, os próprios moradores resolveram fazer uma limpeza no equipamento e tampá-la. De acordo com eles, a Compesa há muito tempo não vai ao local fazer vistorias. Como se esses problemas não bastassem, há cinco meses o bairro está sem abastecimento, deixando até o posto médico, que atende a comunidade, sem funcionar.

“Em 2009 entramos em contato com a Compesa reclamando da situação na caixa d’água, e terminamos tendo que resolver tudo por conta pró­­pria. Agora, com a falta d’água, já tentamos falar com eles (Compesa) oito vezes e eles dizem que está tudo normal, não nos dão satisfação e nem nos recebem mais”, reclama o líder da comunidade, José Severino da Silva.
 
Para terem acesso à água potável, os moradores precisam descer escadarias para chegar até um local próximo da comunidade, depois subir carregando baldes cheios. Dificuldade para Margarida da Silva, de 65 anos, que sofre de pressão alta e diabetes, ela cuida da casa sozinha. Ela conta que essa rotina já lhe trouxe problema. “Uma vez fui buscar água lá embaixo e acabei escorregando. Machuquei o braço e tive que engessar. Não tem outro jeito de ter água potável, não tenho dinheiro para comprar água mineral. Tenho que buscar todo dia para poder sobreviver”.
 
Para a moradora Inês Alves, 62, esse problema teve início após um buraco aberto pela Compesa. “Antes nós tínhamos água normal aqui, depois que a Compesa fez isso a gente ficou sem abastecimento. Eles falaram que o buraco era para colocar um registro, mas achamos que a culpa de estarmos sem água é justamente dele (buraco). A questão é que nós estamos corretos, nós pagamos nossas contas em dia e isso é uma falta de respeito com a comunidade. Já perdi as contas de quantas vezes tive que sair de meia-noite para buscar água”, reclama Inês.
 
A assessoria de Imprensa da Compesa informou que o abastecimento da localidade é realizado através de um poço, cuja bomba apresentou defeito recentemente. A Companhia já providenciou a substituição do equipamento, que deverá ocorrer até amanhã. A Compesa já elaborou também um projeto para que a localidade seja abastecida pelo Sistema Tapacurá, o que permitirá uma melhora considerável no abastecimento da área. O projeto inclui a implantação de rede distribuidora e na instalação de um booster (um tipo de bomba para dar mais pressão na distribuição de água). A previsão é de que a obra seja iniciada dentro de três meses.