Denúncia de apropriação em área da Mata Atlântica

Internauta alerta sobre aterramento, extração de barro e construções irregulares em comunidade

Reportagem: Ana Paula Neiva

A comunidade de Sítio dos Pintos, próxima à Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), no bairro de Dois Irmãos, corre o risco de perder o que sobrou da Mata Atlântica. Construções irregulares, aterramento de um riacho e extração de barro das encostas da mata estão entre os principais problemas que atingem a reserva. A pior situação está na Avenida Manuel de Medeiros, na esquina da entrada do Sítio dos Pintos com a Rua Luiz Antônio de Araújo. Neste trecho, segundo informa o cidadão-repórter Benício Alves, foi levantado um muro de alvenaria com mais de dois metros de altura e, por trás, está sendo feito, em vários pontos, o aterramento do riacho existente. "Estão arrancando o barro da mata e construindo imóveis sem o menor cuidado urbanístico. O que está prejudicando a preservação da Mata de Dois Irmãos. Se ninguém fizer nada, a reserva será destruída", denuncia o internauta.

De acordo Benício Alves, a ocupação desordenada do bairro começou em meadosde 1998. "Na época, representantes dos moradores apresentaram um dossiê à Empresa de Urbanização do Recife (URB) contendo fotografias da degradação do meio ambiente do entorno da área invadida e das adjacentes, mas a URB respondeu dizendo que não constava nenhum programa de intervenção na área e sugeriu que, nós moradores, procurássemos nos articular por meio do Programa Orçamento Participativo", comentou. Segundo ele, em 2000, os moradores voltaram a denunciar o aterro do riacho, queda de barreira e desmatamento da área de reserva. Nove anos depois, a situação se repete. "A retirada do barro pode provocar acidentes e desacomodação do solo nos terrenos vizinhos. É preciso que as autoridades façam alguma coisa", alerta.

A comunidade do Sítio dos Pintos integra a 3ª Região Político-Administrativa do Recife, a Noroeste da cidade, formada por um total de 29 bairros. Localizada entre Caxangá, Dois Irmãos e divisa com o município de Camaragibe, o Sítio dos Pintos ocupa uma área de 178 hectares e tem uma população de 5,660 habitantes, segundo dados do IBGE/Censo de 2000. Parte da área que está sendo invadida pertence ao domínio da UFRPE. Segundo o cidadão-repórter Benício Alves, na verdade, há informações de as áreas estão sendo ocupadas por grileiros. "Comentam-se que são funcionários e ex-servidores da própria universidade", diz.

Controle - A pró-reitora interina de planejamento da UFRPE, Carla Coelho, informa que já existe um processo em tramitação junto à Prefeitura do Recife para definir o perímetro de responsabilidade da universidade. Ela reconhece que, nos últimos anos, parte da área foi alvo de algumas invasões. Carla Coelho admite, no entanto, que não há como controlar a urbanização irregular ao redor do seu prédio por se tratar de um terreno bastante extenso. Apesar disso, ela diz que não tinha conhecimento de que a área está sendo ocupada por grileireiros, como denunciou o cidadão-repórter Benício Alves. Quanto às denúncias de desmatamento, extração de barro e aterramento do riacho na área da reserva da mata, a pró-reitora interina de planejamento da UFRPE diz que, normalmente, ao tomar conhecimento de fatos como este, encaminha as informações aos órgãos competentes. Você também pode sugerir reportagens como esta. Basta acessar o endereço: www.pernambuco.com/cidadao.

Saiu no Diário de Pernambuco - 22/09/2009