RECIFE LIDERA VIOLÊNCIA NO PAÍS

Estudo da Unesco sobre mortes de é relativo ao período de 1993 a 2002

Thaís Gouveia Especial para o DIARIO

A quarta edição do Mapa da Violência: Os Jovens do Brasil - estudo divulgado ontem pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) sobre mortes de jovens brasileiros - mostra que, entre 1993 e 2002, Pernambuco passou de 4º para 3º lugar no ranking de assassinatos com vítimas entre 14 e 25 anos. No Estado, a taxa de homicídios é de 103,4 para cada 100 mil habitantes nessa faixa etária. A média nacional é de 52,2. Do total de jovens mortos por qualquer causa em Pernambuco, 56,6% foram assassinados.

A maior média nacional, que ficou em 39,9%. Apesar da tendência à interiorização da violência revelada na pesquisa, Recife aparece como a capital mais violenta do País e a vice-líder na taxa de homicídios contra jovens: são 192,9 por grupo de 100 mil. "Em Pernambuco, temos observado uma estabilidade perigosa, com alto nível de violência. Há crescimento até 1998, mas a partir daí os índices alteram pouco, mas não diminuem em relação aos números nacionais", afirma o autor do Mapa e representante da Unesco no Estado, Julio Jacobo.

O índice de assassinatos de Pernambuco é sete vezes maior que o último colocado nessa categoria, o Maranhão, que tem uma taxa de 15 mortes por 100 mil. No ranking da criminalidade contra jovens, Pernambuco fica atrás apenas do Rio de Janeiro (118,9) e Espírito Santo (103,7). Quando são analisadas as mortes de não- jovens, o Estado sobe para o 2º lugar, com taxa de 54,5, contra 56,5 do Rio de Janeiro.INTERIOR - O Mapa trouxe ainda um dado que chama a atenção: o crescimento dos índices de violência nas regiões interioranas em detrimento das capitais.

Entre 1999 e 2002, o número de homicídios nas metrópoles subiu 1,6% e nas regiões metropolitanas o incremento foi de 2,4%. No Interior, esse índice foi de 8%. "Isso se deve ao nascimento de pólos de desenvolvimento nessas localidades. Tanto que no período anterior, entre 1993 e 1998, os municípios do Interior tiveram um crescimento de 4,1% nos assassinatos, contra 8,4% e 8,5% para capitais e regiões metropolitanas.

Em Pernambuco, esse fenômeno pode ser observado no pólo de confecções, como Santa Cruz do Capibaribe e Toritama, de agricultura irrigada, como Petrolina, ou ainda nas cidades do chamado Polígono da Maconha", esclareceu Jacobo. Pernambuco também está entre os três primeiros colocados no que diz respeito à diferença entre os índices de morte violenta de negros em relação a brancos. Enquanto no Brasil esse percentual é de 65,3% (taxa de 20,6 para cada 100 mil habitantes brancos e 34,0 para negros), no Estado, a diferença supera os 300%: são 16,9 para brancos e 71,4 para negros. Entre os jovens, o percentual é ainda mais alto.

Pernambuco aparece com variação de 409%, atrás da Paraíba (440,2%) e Distrito Federal (449,1%). Os homens são o principal alvo. Os números nacionais mostram que 93,8% dos jovens assassinados são do sexo masculino, contra 95,8% em Pernambuco. Nos finais de semana, há um incremento de 68,2% na quantidade de homicídios entre vítimas de 14 a 25 anos. No Estado acontecem 70% a mais de assassinatos de jovens nesse período da semana. O uso de armas de fogo nesses crimes também deixa Pernambuco no topo da lista das federações. É o 1º lugar no ranking, com 87,7% dos homicídios causados por revólveres. Metade das mortes de jovens por qualquer causa no Estado foi provocada por armas de fogo.

No Brasil, o índice foi de 75,3% e 31,2%.Comentários dos leitores"Vamos exigir do governo de Pernambuco que peça a ajuda da força de segurança nacional, para combater a violência de Recife, já que o governo nega verbas para esse fim. Não podemos ficar de braços cruzados, esperando por milagres. Temos que acabar com esse título da capital mais violenta do Brasil!!!", Wilson, por e-mail"É uma vergonha pra nós recifenses e pra Recife ser conhecida como a capital mais violenta do Brasil. Políticos, onde estão as suas vergonhas?", Wilson, por e-mail