PEQUENO EXPEDIENTE

Desde o primeiro mandato do presidente Lula que a oposição tenta, sem sucesso, desgastá-lo. Ao perceber que não atingiriam seu objetivo, devido à popularidade do petista, os tucanos e democratas passaram, então, a buscar formas de destruir a imagem do PT. O que vemos hoje no Senado é a repetição exaustiva (que, embora já tenha demonstrado sua ineficiência, se mantém como prática obsessiva da oposição), o uso recorrente de métodos nada democráticos.

Enfim, o mais do mesmo, qual seja, colocar na conta do Partido dos Trabalhadores a responsabilidade dos descaminhos de alguns, que nem pertencem à legenda (fazem parte de uma base aliada heterogênea, infelizmente necessária em função do atual sistema político-eleitoral do País). Tucanos e Democratas debatem cansativamente a superfície, inventam factóides, convocam audiências públicas com pessoas que acusam e não conseguem sustentar suas denúncias, interpretam o mundo segundo sua lógica capital.

Recuam também, como o senador Sérgio Guerra, que pregou a pacificação no dia anterior ao Conselho de Ética do Senado decidir pelo arquivamento das representações contra Sarney e, principalmente, Arthur Virgílio, que, ao contrário do presidente do Senado, confessou em plenário seus ilícitos e foi absolvido pela oposição e pela mídia por presunção de inocência. A presunção da inocência, prevista no Código Penal, deveria ser regra até o julgamento dos fatos denunciados.

Mas a oposição convenientemente só a invoca quando os seus parceiros são flagrados e acusados de comportamentos antiéticos. Aliás, termo que democratas e tucanos escolheram como bandeira de contraposição, mas que vista de perto está mais para contradição. Mas quem quer analisar qualquer coisa a fundo, na sua estrutura, neste debate político? O que é ético nesse imbróglio todo em que o Senado se vê envolvido nos últimos meses? Será o PT responsável por uma estrutura política que, a despeito de todo o esforço de nosso partido em votar há anos uma reforma política e eleitoral que retire do processo eleitoral as influências econômicas? Sem a miopia que tem marcado a discussão Sarney, atos secretos, etc., seria possível enxergar que o Legislativo é assim não por influência de A ou B, mas de grandes grupos que investem na eleição daqueles que representaram seus interesses.

Campanhas milionárias, tanto nas eleições majoritárias quanto proporcionais, bancadas com dinheiro privado não são generosidades de empresários. Tornam-se amarras para aqueles que se comprometem com esses lobbies. A despeito de toda desigualdade dos pleitos eleitorais, muitos se elegem com poucos recursos e com ampla base social, o que é o meu caso e de muitos companheiros do PT, que surgiu dos movimentos sociais e sindicais.A eleição dos representantes do PT e do presidente Lula teve e tem como pauta recolocar o Estado como indutor do desenvolvimento, com uma concepção do público para o público e não do público para o privado (ou vice-e-versa), como desejam nossos adversários políticos, teólogos do neoliberalismo.

Lula e o PT têm compromisso na construção de um desenvolvimento econômico que não favoreça somente à elite que lucrou durante décadas desde a ditadura militar até o período FHC. Sabíamos que era preciso quebrar vários paradigmas: desenvolver o país com preocupação sócio-ambiental, distribuição de renda; enfrentando as desigualdades sociais e regionais, recolocando o Estado como indutor desse processo. Nem tudo foi feito neste primeiro momento. Romper paradigmas, conceitos ideológicos e culturais arraigados há séculos demanda tempo.

Mas hoje, temos como afirmar, com orgulho de quem sabe a dureza da estrada e soube lutar contra o preconceito social e político, que avançamos muito neste projeto. E se não conseguimos ainda chegar ao que sonhamos e planejamos para o Brasil há quase 30 anos, é porque somos também fruto dessa desigualdade. Não pertencemos à elite que sempre deu as cartas nesse país e nem os recursos que ela acumulou expropriando o povo brasileiro. Talvez por isso mesmo, nosso caminho seja mais longo. E por isso talvez sejamos atacados de forma desigual e muitas vezes sem a proporcionalidade do direito à resposta, à voz nos meios de comunicação.

O sonho de projeto democrático-popular é demorado, como demoradas são as conquistas sociais. Nesse trajeto não existe atalho. O caminho é sabidamente longo e doloroso, como são os acampamentos do MST na luta pela reforma agrária, das mulheres contra a violência, das organizações em busca da efetivação dos direitos humanos. É um duro caminho esse do PT, como o descrito por Hilda Hilst na Poesia XXII: “Não me procures ali, onde os vivos visitam os chamados mortos... Procura-me nas praças [...], espelhada num outro alguém.

Subindo um duro caminho. Pedra, sal, semente. Passos da vida. Procura-me ali. Viva”. E se me perguntarem se essa estrada vale a pena ser percorrida, a despeito dos ataques violentos, das pedras no caminho, vou dizer que ela dignifica a nossa luta, que não caiu do céu, mas surgiu do chão da fábrica, do desejo do povo.Este é o Partido dos Trabalhadores que estamos construindo.

IRINY LOPES – PT/ES