Estado inaugura primeiras unidades sentinelas em saúde do trabalhador

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) inaugurou duas primeiras unidades sentinelas que vão identificar acidentes de trabalho em Pernambuco. Pela primeira vez, o Estado irá conhecer dados próprios que poderão contribuir para políticas públicas mais consistentes. Duas solenidades de inauguração já estão marcadas para acontecer nos hospitais que vão receber os novos setores – às 9h, no Jaboatão Prazeres, e às 14h, no João Murilo, em Vitória de Santo Antão. “A partir de agora, vamos descobrir quem foi vítima de um acidente de trabalho e deu entrada no serviço público de saúde”, diz Gildázio Moura, gerente de Saúde do Trabalhador. “Antes, uma pessoa que caía de uma moto e dava entrada num hospital era apenas registrado como um acidente de trânsito. Agora, se essa mesma pessoa estava entregando uma pizza, também será computada como uma vítima de um acidente de trabalho”, exemplifica o gerente. Todos os profissionais já foram capacitados para atuar nas duas unidades sentinelas, equipadas com mobiliário novo, computadores e impressoras para o funcionamento imediato das atividades. O grande benefício de fazer o registro dos dados, para Gildázio Moura, é a criação de uma política estadual que possa minimizar os acidentes de trabalho. “Só poderemos construí-la, se tivermos essas informações”, frisa o gerente. Ele salienta também que as atuais ações voltadas ao trabalhador no Estado são orientadas a partir dos números de acidentes colhidos pelo INSS, em anos anteriores. “Mas temos que lembrar que, em Pernambuco, apenas 30% da população economicamente ativa está no mercado formal, trabalhando com carteira assinada”, afirma. De acordo com o gerente, até o final de 2010, o objetivo é instalar mais 29 unidades sentinelas em hospitais de média e alta complexidade ao longo de todo o Estado (confira abaixo onde elas estarão localizadas). Cada uma delas estará ligada ao Sinam-net, sistema que contabiliza os dados e permite a interligação entre os oito Centros Regionais de Saúde do Trabalhador (Cerest) e a Rede Nacional de Saúde do Trabalhador (Renast). Gildázio Moura foi o mentor de um estudo inédito, em 2008, para saber quantos acidentes de trabalho poderiam ser computados se fosse instalada uma unidade sentinela no Hospital da Restauração. Durante as 720 horas de análise, foram registrados 542 casos. Ou seja, aproximadamente a cada hora, um acidente de trabalho é registrado na unidade de saúde, sendo a maior parte ligada à construção civil.